10.8.12

Você Sabe Que Eu Não Presto

Voltando para São paulo, marquei com alguns amigos em um Pub que sempre íamos. Acabei indo sozinho.
Lá, encontrei uma menina que era como um filme em tom de sépia, uma foto de uma paisagem inalterada pelo passar das décadas ou aquela música que você vai tocar para seus netos, por achar linda e fantástica.
Notei que imediatamente fui correspondido. Pisquei e sorri, ela respondeu. Chamei e ela sentou na minha mesa, com um pouco de vergonha.

Conversamos e após duas frases, ela perguntou de qual estado do Sul eu vinha. Respondi e continuamos nossa conversa.
Acabamos acordando juntos no apartamento dela na manhã seguinte. Combinamos de nos reencontrar no mesmo Pub à noite.

Cheguei cedo e estava no andar de cima quando, pela janela, vi quando ela se aproximava e entrou no bar. Olhei para baixo e vi quando um rapaz a encontrou, mangas arregaçadas na sua camiseta de caveira.
Ele começou a cheirá-la: "Por que transou com ele hoje?"
Ela respondeu: "Eu me enganei, como eu sabia que enganaria. Eu te disse que eu era encrenca, você sabe que eu não presto."
Ela olha pra cerveja na mão dele: "Entregue-me sua Stella e vai"

Ela subiu. Eu assenti com a cabeça, ela sorriu.

Ela correu para encontrá-lo com batatinhas e cerveja.
Enquanto comiam, ele olhava fundo em seus olhos e falava: "Quando estivermos casados, não haverá mais nada dele"

"Você sabe que eu não presto."
'Cause you're my fella, my guy
Hand me your Stella and fly
By the time I'm out the door
You tear me down like Roger Moore

Um comentário:

Letícia Uequed disse...

Que linda história de amor *.* - não?